top of page
Buscar

Os clientes exigem seguros verdes – mas as seguradoras estão preparadas?

Três quartos dos condutores mudariam ou permaneceriam numa companhia de seguros que fosse capaz de provar que são amigos do ambiente, de acordo com uma nova investigação.

Solera, empresa global de tecnologia automotiva, perguntou a 10.000 motoristas e 500 especialistas em sinistros sobre sua atitude em relação ao ESG no setor de seguros de automóveis. Os resultados parecem demonstrar o apetite que existe, especialmente entre os segurados, por um forte desempenho ambiental.


De acordo com o Fórum Económico Mundial, 65% dos consumidores pretendem que as suas escolhas de consumo contribuam para uma vida mais saudável e sustentável – mas anos de afirmações de marketing infundadas sobre o desempenho ESG lançaram dúvidas sobre como as empresas verdes realmente são e criaram uma cultura de ‘ lavagem verde’.

Isso explica por que muitos consumidores querem ver provas do progresso ESG – mas Solera acredita que as seguradoras podem obter vantagens genuínas se puderem respaldar as suas reivindicações ambientais.


A esmagadora maioria dos consumidores deseja produtos verdes


“Nos mercados de seguros e automotivo, há uma demanda crescente por ofertas sustentáveis”, explica Jing Liao, Diretor Administrativo e Presidente do Comitê ESG da Solera. “Por sua vez, isto pode beneficiar a sua reputação, trazendo maior valor ao longo da vida do cliente, poupanças a longo prazo e reduções fiscais, levando ao desenvolvimento de novos produtos e ao mesmo tempo tendo um impacto positivo no ambiente.


“Apesar da crescente consciência da sustentabilidade, continua a existir um número notável de empresas que a percebem como um mero requisito de ‘caixa de verificação’ e não como um componente integrante de uma gestão empresarial sólida. Para alguns, a procura da sustentabilidade parece entrar em conflito com a prioridade global de maximizar a rentabilidade.


“Nossas descobertas iniciais mostram que, com cada ponto percentual incremental de reparabilidade, estimamos um rendimento substancial de US$ 10 no sinistro. Ao incorporar componentes ecológicos, cada aumento na proporção de peças verdes utilizadas no sinistro equivale a um potencial adicional de US$ 35 em redução de custos e 30 kg a menos de emissões de CO2, o que beneficia tanto a seguradora quanto o consumidor.”


Metade das seguradoras ‘não rastreiam’ as emissões do Escopo 3


Apesar do aparente apetite pelas empresas que fazem o que é certo em relação ao ambiente, a investigação da Solera também lançou dúvidas sobre a capacidade das seguradoras de acompanharem os consumidores ecologicamente conscientes e as suas expectativas.


As seguradoras enfrentam vários obstáculos para se tornarem mais sustentáveis, incluindo quase um terço (32%) que pensa que o processo de redução das emissões lhes está a custar demasiado caro. Quase três em cada 10 (29%) têm medo de serem vistos como greenwashing enquanto tentam reduzir as suas emissões, e mais de metade das seguradoras inquiridas não estão a medir as suas emissões de Âmbito 3 – um dos maiores factores no desempenho global de uma empresa. impacto ambiental, que é constituído pelas suas emissões financiadas indiretamente.


Quase metade das seguradoras (47%) precisa de monitorizar e gerir melhor os seus dados de emissões, diz Solera, mas felizmente 80% dos inquiridos planeiam mudar a forma como monitorizam e medem os dados nos próximos 12 meses.


Liang acredita que, com a aproximação de muitas obrigações regulatórias, é agora imperativo que as seguradoras adotem ações ESG significativas. “Os regulamentos são reais. O caminho para o sucesso não é uma mudança de direção. Aqueles que não agirem sofrerão um impacto maior à medida que nos aproximarmos desses prazos e, mais importante, perderemos tempo para fazer as coisas certas para tornar o mundo mais saudável”, afirma ela. Fonte: CQCS/Insurtalks

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Commenti


bottom of page